A Blizzard é a responsável pela criação de famosos títulos de jogos que milhões de jogadores guardam com carinho em seus corações, e desde o ano de 2005 a empresa anuncia através da BlizzCon as novidades que estão por vir para os fãs sobre os seus jogos, como Warcraft, Diablo, e recentemente Overwatch, Hearthstone, e Heroes of the Storm. No ano de 2018, a Blizzard anunciou a remasterização do Warcraft III, um novo personagem jogável para o Overwatch, uma expansão para Hearthstone, entre outros. Depois de tantas notícias animadoras, chegou a vez do presente para os fãs da franquia Diablo que estavam esperançosos e ansiosos para saber se haveria uma nova sequência, no caso um Diablo IV, um novo personagem jogável para o Diablo III, ou até mesmo uma remasterização para o implacável Diablo II, lançado em 2001 e sendo até hoje o mais jogado dos três.

Wyatt Cheng foi quem anunciou Diablo Immortal, uma versão da série para dispositivos Android e iOS cujo a história se passa depois de Diablo II – Lord of Destruction e antes de Diablo III. Wyatt, entusiasmado, falava que esta era a oportunidade para contar histórias ainda desconhecidas sobre os personagens da série e do surgimento do Demon Hunter. Porém após alguns minutos e após mostrar a cinemática e jogabilidade do jogo, o silêncio dos fãs tomou conta, causando momentos constrangedores para Wyatt que ficou sem palavras e não sabia mais o que dizer.

Durante o primeiro dia da sessão de perguntas e respostas a respeito do novo lançamento, ficou claro que o mesmo encontra-se em estágio inicial de desenvolvimento. Houveram vários momentos em que os fãs perguntaram a respeito do jogo como a árvore de habilidades ser customizável, o que esperar da dificuldade do jogo por ser no smartphone, sobre o modo hardcore estar presente, entre outras, mas algumas das respostas dadas apresentavam um ar de incerteza, sem falar que foi dito explicitamente que ainda era muito cedo para saber, inclusive um certo momento fazendo Wyatt soltar a pérola “estará pronto quando estiver pronto” à pergunta de sobre uma linha do tempo do desenvolvimento. Uma outra pergunta foi a respeito do jogo ter uma versão para computadores ou seria especificamente para dispositivos móveis apenas, o que resultou em vaias ao ser dito que não há planos para nenhuma adaptação.

Um momento marcante foi a pergunta feita para os apresentadores questionando se tudo isto não se passava de uma piada de mau gosto fora de época, o que causou a risada dos demais no ambiente, mas que foi confirmado ser real por Wyatt que o jogo de fato estava para acontecer.

Já no segundo dia da sessão, as respostas às perguntas foram um pouco mais concretas apesar de haver aspectos que estavam ainda para ser decididos entre a empresa, como a funcionalidade de engastes nos itens e se haveria as clássicas runewords presentes em Diablo II, e se microtransações estaria presente ou não. Wyatt afirmou que estão estudando diferentes jogos, incluindo Diablo II, em busca de ideias para tornar o Diablo Immortal um excelente jogo para o público.

É certo dizer que houve um instante de euforia e esperança para aqueles que odiaram a ideia de haver um jogo do Diablo para smartphones ao ouvir Wyatt dizer, contra a sua vontade, que a Blizzard está trabalhando em diferentes projetos ao mesmo tempo para a franquia. Quem sabe, na próxima BlizzCon, não teremos a ótima notícia de que uma sequência para o Diablo está a caminho, ou que teremos o clássico Diablo II remasterizado para os padrões da atualidade?

Não se esqueça de deixar a sua opinião nos comentários!

1 Comentário(s)Adicionado

Participar da Discussão
  1. Gabriel 12 de novembro de 2018 | Responder

    Apesar do fracasso eu não acho que Blizzard mereça essa hostiildade toda. Ainda há de lançar remasterização do Diablo II ou Diablo IV. Foi apenas um deslize. Povo exagerado.

Fazer Comentário: